ACIDENTES E MORTES NO TRÂNSITO EM CAMOCIM: DE QUEM É A CULPA?

Impacto
Impacto

catsEsta é a pergunta que tem motivado o debate em Camocim, sempre que se noticia algum acidente de trânsito, principalmente quando consiste em tragédias. E esse debate tem sido algo rotineiro, sempre nos finais de semanas celebrados com festas e bebedeiras.

 

A sirene da ambulância e a viatura da Guarda, se deslocando em alta velocidade, já se transformaram em sinais de que alguma coisa deu errada na cidade. Algumas pessoas já partem para acessar os blogues locais para conferir o que de fato aconteceu. As pessoas já esperam o pior. Constatada a fatalidade, começa a comoção social nas ruas e nas redes sociais.

 

A sirene da ambulância e a viatura da Guarda, se deslocando em alta velocidade, já se transformaram em sinais de que alguma coisa deu errada na cidade. Algumas pessoas já partem para acessar os blogues locais para conferir o que de fato aconteceu. As pessoas já esperam o pior. Constatada a fatalidade, começa a comoção social nas ruas e nas redes sociais.

 

Quem ultimamente não ouviu ou pronunciou uma das seguintes frases ?

 

“morreu uma pessoa no local e a outro ficou gravemente ferido e teve que ser transferido para Sobral”.

 

“Os dois estavam sem capacete levantando o pneu da moto”

 

” O motorista ultrapassou o sinal vermelho e pegou a moto”

 

“eles eram de menor e estavam bebendo”

 

“eles passaram a noite na festa bebendo”

 

“ele cochilou no volante e estava sem sinto de segurança” 

 

“foi imprudência deles”

 

“ele só andava “vuado” e não tinha habilitação” 

 

“ele partiu a cabeça, o outro quebrou a perna com fratura exposta, um teve que amputar a perna, o outro quebrou o pescoço”

 

No final, se pergunta: de quem foi a culpa?

 

Numa avaliação mais detalhada podemos garantir com firmeza que existem vários culpados!

 

Em primeira vista, em muitos casos, a culpa é da imprudência de quem está pilotando o veículo, considerando todas as colações citadas acima.

 

Os outros culpados, no caso dos adolescentes, boa parte dos pais são responsáveis, pois liberam os veículos para os filhos. E existem filhos que, mesmo os pais proibindo,  resolvem desobedecer as ordens e se apoderam dos transportes às escondidas fugindo para as bebedeiras noturnas e para fazerem acrobacias irresponsáveis nas ruas levando a morte na garupa da moto ou no banco do passageiro.

 

Quanto aos adultos, podemos dizer que eles são os únicos culpados, por pilotarem motos sem capacetes, em alta velocidade, levanto até 4 passageiros num moto, absolutamente embriagados, dirigindo carros  também sobre efeito de álcool, desobedecendo placas de sinalizações, os limites de velocidade, semáforos e tudo mais…

 

Por fim,  as nossas autoridades públicas também são culpadas, por não desenvolverem um trabalho eficiente de controle, de fiscalização. São culpadas por que muitas vezes, propositalmente, fecharem os olhos para os desmandos.

 

1- O efetivo dos nossos agentes de trânsitos é insuficiente para atender a demanda. E o pior é que, quando os agentes prendem os veículos ilegais, no outro dia, ou no mesmo dia, o apadrinhamento politico libera e o infrator ainda sai zombando da cara do agente.

 

2- Existem muitos pontos na cidade que necessitam urgentemente de semáforos. A rua Bandeirantes é uma.

 

3 – Não existe rigor na fiscalização. A prefeita e o deputado tem medo de “apertar o cinto” para cumprir a lei, e educar a população, pois esta medida pode se tornar uma ação impopular, acarretando a revolta dos irregulares do trânsito que poderão não mais votar no “partido politico que está no poder”

 

4- É o cúmulo do ridículo, mas acredite: tem eleitor que deixa de votar no candidato por que teve seu veículo irregular apreendido, ou por que estava dirigindo contrariando a lei, sem habilitação, com a cara cheia de cachaça etc.

 

Enquanto isso não se resolve, ou se ameniza, ainda iremos ter que chorar pelas inúmeras tragedias no trânsito que ainda estão por vir. E que Deus nos proteja.

 

Com Revista Camocim

 

Share this Article
Leave a comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.