Capital terá frota acima de 1 milhão neste mês

admin
admin

Levantamento do Detran revela que há um carro particular para quase cinco habitantes em Fortaleza
Que Fortaleza sofre com problemas de mobilidade urbana, não é novidade para ninguém. No entanto, o estresse diário no trânsito vai piorar. De acordo com dados do Departamento Estadual de Trânsito do Ceará (Detran-CE), a frota da Capital irá superar a casa de um milhão de veículos neste mês de junho. Em maio, o total chegou a 997,9 mil entre carros, motos, caminhões, ônibus, vans, táxis, entre outros. Mensalmente, outros seis mil veículos são somados à frota.
Pelas ruas da cidade, em maio, circulava uma frota de 997,5 mil. Em junho, Fortaleza deve ganhar mais seis mil, conforme o Departamento Estadual de Trânsito
A capital cearense não foge à regra geral do País, onde a valorização do uso individual de transporte, em detrimento de coletivos é um desafio. Dos 997,9 mil veículos, 59% ou 589,4 mil são de carros particulares. Isso representa um automóvel para quase cinco habitantes. Ou seja, toda população fortalezense cabe na frota de carros particulares.
O número de motos também chama atenção. São 214,4 mil em somente em Fortaleza. No Ceará, elas representam quase a metade do total: são 977,9 mil para 2,2 milhões de veículos. “Em dez anos, o número geral da frota saltou 136,2% na Capital. Em 2003, eram 422,4 mil. No Estado, o aumento foi de 169,9%”, aponta o Detran.
Estrutura
Especialistas apontam que a infraestrutura viária ou o controle dos órgãos de trânsito não acompanharam o ritmo acelerado da frota. Segundo o titular do Núcleo de Atuação Especial de Controle, Fiscalização e Acompanhamento de Políticas de Trânsito (Naetran), do Ministério Público do Ceará, Gilvan Melo, dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad/IBGE) revelam que um maior número de pessoas leva mais tempo em seus deslocamentos cotidianos. “É um verdadeiro martírio enfrentar longas distâncias, engarrafamentos e constantes panes do sistema público de transporte. Uma verdadeira via-crúcis. O número de carro sobe e, em contrapartida, quase zero de campanhas de conscientização e investimentos no transporte público de qualidade”, compara.
A arquiteta e urbanista Ticiane Sanford avalia que, nos últimos anos, com a melhora da economia, mais pessoas têm acesso ao carro. Várias cidades apresentam índices similares aos de países desenvolvidos, como Alemanha e Estados Unidos, onde a média é de menos de dois habitantes por veículo. “Entretanto, nesses países, a malha viária, transporte público como metrô, fiscalização e conscientização da população ganham de goleada da gente”.
Na visão do engenheiro de transportes da Universidade Federal do Ceará (UFC), Mário Azevedo, os graves problemas de mobilidade ficarão cada vez piores enquanto não houver uma mudança nas prioridades da Prefeitura e do governo do Estado também, com relação à priorização de investimentos em transporte público. Os túneis, aponta, na verdade trincheiras, podem melhorar um pouco a situação, mas isso não deve durar muito. “Tudo o que você faz no sentido de atender a demanda dos usuários do transporte particular tem vida curta”, afirma Mário Azevedo.
Cenário
O professor acrescenta que a situação poderia estar menos ruim se os motoristas fossem mais educados. Muitos, além de estacionarem em locais proibidos, fazem conversões indevidas e cometem diversas outras infrações. “Resumindo, não estão nem aí com as demais pessoas que dividem o mesmo espaço. Não precisa nem um número muito grande desses indivíduos para gerar transtornos. Falta a essas pessoas educação e, note, não é aquela sobre as leis do trânsito. Falta civilidade”.
Para o professor e engenheiro de transporte, José de Paula Barros Neto, não se pode esconder que o excesso de veículos, os engarrafamentos, a contaminação do ar, a poluição acústica e o estresse influem diretamente na qualidade de vida do cidadão, que se vê obrigado a conviver com todos estes fatores. “É preciso pensarmos rápido em saídas por que está ficando insustentável”.
A Prefeitura defende que investimentos na infraestrutura darão suporte para as ações de mobilidade urbana. O secretário especial da Copa em Fortaleza, Domingos Neto, diz que com as obras no entorno do Castelão, o trânsito nessa área da cidade irá melhorar. Além disso, informa, ainda existem as obras do Transfor e os túneis na Via Expressa.
Veículos não motorizados devem ser as alternativas
Diante do cenário na Capital, a professora da Universidade Federal do Ceará (UFC), Nadja Dutra, defende mais investimentos em veículos não motorizados como uma das alternativas mais viáveis e de curto prazo no sentido de melhorar a mobilidade urbana em Fortaleza.
Na sua avaliação, os congestionamentos e a crescente demanda de tráfego nas grandes cidades e regiões metropolitanas passaram de uma questão de segundo plano para converter-se em um dos principais problemas para os habitantes das áreas urbanas. Para ela, a diminuição do uso do automóvel, substituindo-o por modos mais atrativos ao cidadão é uma questão chave.
Uma forma alternativa e inteligente, diz, é fomentar o uso da bicicleta e priorizar os pedestres. “Mais verde, a construção de espaços apropriados como ciclovias calçadas sem barreiras são sugestões”. Para garantir o êxito das medidas, frisa, é necessário não só investimento em infraestrutura, mas em educação e informação à população também.
Realidade
O uso da bicicleta é uma realidade em quase toda a Europa, destaca, sendo que países como Holanda, Suíça, Alemanha, algumas partes da Polônia e dos países escandinavos adotaram a bicicleta como principal meio de transporte. Na Ásia, principalmente China e Índia, é tida como principal modo de deslocamento. “Algumas cidades latino-americanas também têm o uso generalizado da bicicleta, como por exemplo, Bogotá na Colômbia”.

LÊDA GONÇALVES
REPÓRTER

http://diariodonordeste.globo.com

Share this Article
Leave a comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.