Detento mata esposa enforcada durante visita íntima em penitenciária de São Paulo

Impacto
Impacto

Caso foi registrado como feminicídio; o preso também bateu a cabeça da vítima no chão ‘várias vezes’

Penitenciária 2 “Maurício Henrique Guimarães Pereira” de Presidente Venceslau, em São Paulo, registrou um caso de feminicídio no último domingo (13). Conforme o g1, o crime ocorreu quando a vítima, de 41 anos, visitava o companheiro, de 39 anos.

A mulher era moradora da capital paulista e foi assassinada por enforcamento, “mediante constrição de seu pescoço”. De acordo com o registro da ocorrência, o companheiro da vítima também bateu com a cabeça dela “várias vezes no piso da cela”.

Agentes penitenciários foram acionados para abrir uma cela do pavilhão 3 durante o horário da visita íntima, aproximadamente às 11h. Em um primeiro momento, pensavam que seria uma emergência médica, porém, logo receberam o informe de que o preso havia matado a esposa.

Por conta do caso, a perícia da Polícia Científica e o Instituto Médico Legal (IML) foram acionados à unidade prisional. Além disso, a Polícia Civil também autuou em flagrante o homem por homicídio doloso qualificado, especificamente, por feminicídio.“Com a abertura da cela, ele jogou o corpo da vítima no piso inferior, ainda o puxou até o meio do pátio”, aponta o BO.

Alguns minutos após o crime, Grupo de Intervenção Rápida (GIR) algemou o preso, que não ofereceu resistência e “não apresentou motivação para a ação”.

De acordo com o g1, o caso foi narrado por outro detento e sua companheira, que tentaram, sem sucesso, intervir no crime.

TRANSFERÊNCIA

Por conta da ocorrência, o preso foi transferido para a Penitenciária 1 “Zwinglio Ferreira”, em Presidente Venceslau. Lá, foi encarcerado em cela própria e confessou a prática do crime. De forma resumida, alegou que matou a companheira “porque ela estaria se prostituindo”, mas não deu mais detalhes à polícia.

Como o caso se trata de um crime inafiançável, o homem irá aguardar na P1 o pronunciamento judicial. Nele, também será considerado que o homem é um “preso com extensa ficha policial que cumpre pena no sistema prisional”.

Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) apontou que o caso foi imediatamente comunicado a autoridade policial local e registrado o boletim de ocorrência. O crime foi representado pela conversão da prisão em flagrante delito em prisão preventiva.

“O preso foi transferido e permanece à disposição da Justiça. A pasta abriu Procedimento Apuratório Disciplinar e Preliminar para averiguação dos fatos”, finalizou a pasta.

DN

Share this Article
Leave a comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.