NotíciasPolicia

Polícia Civil faz cerco em Maracanaú e prende 32 bandidos ligados ao PCC

Powered by Rock Convert

28a6ec996a0925336ae4-foto

28a6ec996a0925336ae4-foto

 

 

Trinta e duas pessoas foram presas numa operação de Inteligência realizada na noite desta quinta-feira (23), na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), por policiais da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF). O grupo seria ligado  à facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), de origem nos presídios de São Paulo.

 

Várias armas de fogo, entre elas,  uma metralhadora, além de muita munição, celulares e veículos foram apreendidas durante a ação da Polícia Civil e encaminhadas, junto com os suspeitos para a sede daquela Especializada, que funciona, provisoriamente, no prédio da Divisão de Combate ao Tráfico de Drogas (DCTD), ao lado do Terminal Rodoviário Engenheiro João Tomé, no bairro de Fátima.

 

A ação  foi comandada pelo delegado Raphael Vilarinho  e ocorreu em um sítio no Município de Maracanaú, após aquela delegacia receber informações de que membros de uma facção criminosa iria iniciar mais uma sequência de atentados na Capital em represália à prisão de uma quadrilha de ladrões de bancos, fato ocorrido na última quarta-feira na região do Maciço de Baturité.

 

Entre os 32 presos estariam traficantes de drogas, assaltantes e homicidas, sendo a maioria já com antecedentes criminais e alguns foragidos dos presídios da RMF.

 

Alerta geral

 

Ainda na noite de ontem, o próprio delegado-geral da Polícia Civil, Andrade Júnior, compareceu à sede da DRF e determinou que os presos fossem distribuídos em carceragens de várias delegacias da Capital, visto que os xadrezes da DCTD não comportariam todos os presos, pois ali já há vários traficantes aguardando transferência para o Sistema Penitenciário.

 

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS)  emitiu para as suas instituições vinculadas (Polícias Civil e Militar e Pefoce, além do Corpo de Bombeiros) em alerta máximo por conta da desarticulação do bando, pois acredita que outros criminosos possam tentar realizar resgates ou iniciar uma sequência de atentados como represália à desarticulação do grupo.

 

 

Informações  Por FERNANDO RIBEIRO

 

About Author

Comment here