Camilo diz que racha com PDT ‘ficou para trás’ e quer unir forças em torno de Lula para 2º turno

Impacto
Impacto

O senador eleito citou a Reforma Tributária e a Segurança Pública como pautas prioritárias para o mandato no Senado

Senador eleito, Camilo Santana (PT) afirmou que o foco será construir diálogo com as diferentes forças no Ceará. Não apenas para a construção da futura gestão do governador eleito Elmano de Freitas (PT), mas também para a campanha do segundo turno da disputa presidencial. A respeito do rompimento entre PT e PDT, reforçou que “o que houve ficou para trás”. “A população deu resposta nas urnas”, completou.

A declaração foi dada durante entrevista no CETV 1ª edição, da TV Verdes Mares, nesta segunda-feira (3). 

O petista assume o mandato no Senado Federal em fevereiro de 2023, na cadeira ocupada atualmente pelo senador Tasso Jereissati (PSDB). Ele destacou a  Segurança Pública e a Reforma Tributária como prioritárias para a atuação no Congresso Nacional.

“O Brasil é um dos países mais desiguais do planeta. A tributação, 70% dos impostos que os brasileiros pagam ficam com o governo federal. Hoje, a tributação é feita muito em cima do consumo. (…) A tributação brasileira precisa ser maior em cima da renda e do patrimônio das pessoas. O Brasil precisa fazer uma Reforma Tributária urgente”.

CAMILO SANTANA

Senador eleito

Com a eleição de candidatos conservadores e de direita para o Senado, ele afirma que pretende “construir consensos” por meio do diálogo. “Vivemos em uma democracia. As pessoas têm visões diferentes, mas é importante o diálogo para construir o Brasil”. 

RECOMPOSIÇÃO DE FORÇAS

O senador eleito reforçou que “a preocupação agora é com o 2º turno” da disputa presidencial. “Nosso slogan era  ‘Ceará três vezes mais forte’. A eleição do Lula será muito importante para o Brasil e para o Ceará”, reforça. 

Segundo Camilo, o momento será de convidar prefeitos, deputados e lideranças políticas do Estado para fortalecer a campanha do ex-presidente Lula no Ceará – onde o candidato petista já foi o mais votado para a presidência da República. 

Indagado sobre como fica o cenário estadual, onde houve o rompimento com o PDT – inclusive com o candidato a presidente, Ciro Gomes (PDT), alegando “traição” por parte da legenda petista –, Camilo afirmou que irá “dialogar com todos”, já para a campanha do 2º turno. 

“A ideia é poder construir e consolidar (o diálogo). O que houve para trás, a população deu resposta nas urnas. A gente continua tendo humildade, construir com diálogo e respeito à população”, reforça. 

DN

Share this Article
Leave a comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.