Estudo diz que 34,9% dos usuários do Bolsa Família não sabem sacar dinheiro

Impacto
Impacto

20130526185659-20130526185659-bolsa-familia-1-e1407527958921

 

 

Beneficiários com dificuldades de retirar o benefício no caixa eletrônico, foram convidados a participar de um treinamento promovido pela Fundación Capital, da Colômbia, que atua em educação financeira para a base da pirâmide.

 

Junto com o governo do Rio, foi realizada de setembro a dezembro do ano passado a Iniciativa Lista: Educação Financeira em Grande Escala.

 

O programa distribuiu tablets entre beneficiários do Bolsa Família e do Renda Melhor, iniciativa estadual, nos municípios de Búzios, Magé, São Fidélis e Nova Iguaçu.

 

Os usuários aprendem por meio de um aplicativo, conceito de educação financeira e ensinamentos práticos.

 

“Muitos terceirizavam o uso do caixa eletrônico”, afirma Camille Bemerguy, representante da fundação no Brasil. “No simulador, eles podem testar, errar, acertar e ir adquirindo confiança. Isso promove segurança para essas famílias e gera empoderamento.”

 

Outro objetivo da iniciativa era ensinar as famílias a planejarem seu orçamento. “O projeto desmistifica que a população de baixa renda, por causa do recurso escasso, não consegue se organizar”, afirma Camille.

 

O estudo apontou que a dificuldade em guardar dinheiro se deve a uma percepção de que não se pode poupar pequenas quantias.

 

“Eles viram que é possível economizar mesmo tendo pouco. Já me falaram: ‘Se eu guardar R$ 1 por dia, vou ter R$ 30 no fim do mês para comprar um bolo de aniversário para o meu filho’”, relata a estudante de serviço social Natanny de Souza, 23, pesquisadora que fez o trabalho de campo.

 

“Acho que seria até criminoso dizer para uma população que recebe tão pouco consumir menos para poupar. Quando a gente fala de poupança, é no sentido de se planejar”, afirma Camille.

 

De acordo com ela, tal planejamento já acontece entre os beneficiários de programas de transferência de renda, mas de maneira pouco efetiva. “Quando recebem um recurso, automaticamente separam o que vai para educação, para emergência. A gente quer que passem a fazer isso de forma mais eficiente para alcançar objetivos.”

 

Informações: Ceará Agora

 

Share this Article
Leave a comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.